A Bíblia é um livro histórico que serve como base de fé para milhares de famílias em todo o mundo. Pessoas morrem por ela, brigam por ela e também são consoladas pelo conteúdo que existe nas mais de mil páginas que a compõe. Mas diante de tantos fatos, deveres e proibições, em meio a tantas palavras, o que é essencial? Qual mensagem é indispensável? Um dos autores mais conhecidos do mundo, Max Lucado, responde:

A parte que interessa é a cruz. Nem mais, nem menos. A cruz. Ela se coloca na linha do tempo da história como um marco obrigatório. Sua tragédia convoca todos os sofredores. Seu absurdo atrai todos os céticos. Sua esperança conquista todos os que buscam.

Em Por isso o chamam Salvador, Max Lucado convida o leitor a descobrir ou redescobrir o real sentido da Cruz. Ele analisa esse objeto que tem um significado de morte e punição, mas que foi redimido com toda a humanidade e se transformou em algo muito maior que um símbolo.

A cruz revela um Deus que ama o ser humano de tal maneira que escolheu seu próprio filho como sacrifício. Ela aponta para a esperança por dias melhores; é um sinal da eternidade oferecida para aqueles que reconhecem Jesus como seu Salvador.

Escrito no início dos anos 1980, ocasião em que Max atuava como missionário no Brasil, Por isso o chamam Salvador é uma das obras mais antigas deste mensageiro da graça de Deus cuja repercussão alcançou dimensões planetárias.

Publicação da editora Mundo Cristão no país, o livro trata da essência do evangelho e de como as pessoas podem fazer de sua existência um tributo a Jesus. Aquele que resolveu enfrentar, no lugar de cada um, o desprezo e a violência, a fim de que hoje todos possam viver a esperança da plenitude do Reino de Deus.

Mas para que serve a cruz? A cruz lembra que Jesus veio ao mundo para salvar a todos e, para tanto, aceitou pagar um preço bastante elevado. A correta compreensão do sentido da cruz pode fazer toda a diferença.

18 Jun 2014

O que todos precisam saber antes de se casar

Autor: rodrigo | Categoria: Estudos, Evangelicos

As pesquisas atuais mostram índices alarmantes de divórcio. Os gabinetes pastorais e os consultórios especializados em terapia de casais vivem lotados de pessoas que experimentam a infelicidade na vida a dois. Certamente, ninguém ingressa num relacionamento com o objetivo de fazer parte do grupo dos divorciados ou dos infelizes.

Por isso a importância de um preparo antes do sim. O bispo Miguel Uchôa usou toda a experiência como conselheiro matrimonial no livro Diga sim com convicçãoEste lançamento explica o que é a vida a dois e ajuda os jovens a se organizarem de forma responsável e madura para o matrimônio.

Se o processo decisório não for conduzido de forma consciente e bíblica, a separação pode ser inevitável. O autor indica os três pontos essenciais que os casais devem seguir:

Tudo começa com a prevenção, a antecipação e a preparação.

Por falta de diálogo durante o período de namoro/noivado, homem e mulher se unem num compromisso perpétuo por motivos equivocados ou com sombras sobre áreas fundamentais que envolvem o casamento. A proposta principal do escritor é que os noivos devem se conhecer muito bem antes de subir ao altar.

Na obra, Miguel expõe diversas situações que podem acabar de vez com a união do casal:

Esconder verdades fundamentais, guardar segredos veladamente, mascarar intenções, obscurecer planos e deixar a sinceridade passar ao largo da relação são atitudes que não gerarão um relacionamento saudável.

Diga sim com convicção levou mais de duas décadas para ser escrito e se sustenta como um manual completo para jovens, pais, discipuladores, líderes e pastores. O texto traz uma comunicação verdadeira e transparente, na qual o leitor encontrará o antídoto para uma vida feliz a dois.

Por meio das mais de 200 páginas que compõem a obra, os casais terão uma solução para não serem mais um número nas estatísticas de divórcio. Literatura indispensável para quem não quer errar na hora de dizer SIM.

10 Jun 2014

A igreja e suas diferenças

Autor: rodrigo | Categoria: Estudos, Evangelicos

“Para uns a igreja é um lugar de desconfiança, de decepção, de ingratidão; para outros ela também pode ser uma família, um lugar de desabafo, de analisar seu interior, se ligar ao invisível, vendo falhas de pessoas e aprendendo a amar as diferenças. Definições de igreja não faltam, mas agradeço a Deus por ela ser a forma em que não me acomodo em meu egoísmo e dou a mão aos que necessitam, assim como recebi uma mão quando necessitei”

 Saber qual é a visão das pessoas sobre a igreja sempre despertou um interesse em mim, principalmente a respeito da igreja evangélica, gosto de ouvir pessoas defenderem sua religião, pessoas que já frequentaram a igreja ou nunca entraram em uma dizerem o que acham certou ou errado, falar de igreja hoje dá um belo assunto, todos tem algo a dizer sobre isso, seja bom ou ruim. Também, passando os canais no sábado de manhã não vamos encontrar muitas opções de programações a não ser ouvir sobre um pastor e sua igreja. Isso é rotineiro, as igrejas, os pastores, os cultos e os ensinos estão na mídia, antigamente achava isso muito bom, mas não imaginava que veríamos a igreja mais como uma indústria do que algo de espiritualidade, infelizmente muitos imaginaram que a igreja é esse “negócio da fé”, onde se envolve dinheiro e os fiéis mais parecem serem subordinados de leis e obrigações de seus líderes.

Deve estar parecendo que eu não gosto de igreja, muito pelo contrário, eu amo a igreja! Não essa “igreja indústria” que muitas vezes é apresentada, mas a igreja como uma família, com propósitos, humildade e diferenças, essa igreja me alegra de esperanças e me torna participante.

Eu frequento uma igreja, na verdade sempre frequentei, me lembro quando era pequeno e minha avó se arrumava para ir ao culto com muita alegria, voltávamos daquele lugar com grande alegria e paz de espírito. Recordo-me de quando ia junto com os amigos da igreja visitar pessoas necessitadas, oprimidas, onde entregávamos uma palavra de consolo, orávamos por ela e a pessoa mudava a fisionomia, ficava de bem com a vida. Quantas pessoas eu já não vi em uma situação crítica e a igreja como uma família acolher essas pessoas e a mensagem do evangelho trazer uma transformação, uma esperança, graças a Deus por existir a fé.

Em todo lugar e para qualquer assunto existe os extremos e com a igreja não é diferente, existem pessoas que tornam a igreja um lugar tão santo que tudo foge da realidade, outras acham a igreja tão suja que só resta criticar e não querer nem passar em frente de uma, só que os extremos sempre encobrem uma verdade. A igreja sou eu, a igreja é você, cada um de nós somos falhos e quando nos reunimos em algum lugar nossas qualidades e nossas falhas nos acompanham, a igreja não é um lugar santo, mas um lugar de pecadores, também não é totalmente imunda pois cada pessoa ali tem sua virtude, aliás estamos nos reunindo por um ideal, a gratidão por Deus ter nos livrado da morte e a missão de levar a boa noticia do evangelho (amar).

Não sei qual tem sido sua visão de igreja, mas quero apenas lembrá-lo de que não existe igreja correta, pois as pessoas são falhas. Então onde Deus atua na igreja? Deus sempre atua aonde damos espaço para ele operar, a transformação começa do indivíduo para a sociedade e Deus precisa de espaço em nós para fazer com que a igreja tenha o espaço dEle (Igreja pura, santa e imaculada). Ainda sim, não me vejo fora da igreja, algumas coisas podem me magoar, mas não se compara com a alegria de estar lá, acho que nenhuma falha humana se compara em ver o sorriso de um morador de rua ao nos ver chegando com uma marmita e cantando com ele, acho que nenhum preconceito se compara ao ver quando meu pequeno dinheirinho que ajudei se juntou com os outros e foi possível fornecer água para moradores sem saneamento básico, nada se compara ao ver o sorriso de uma mãe ao ver seu filho liberto das drogas porque pessoas não desistiram dele quando até desistiu, sozinho não conseguiria fazer nada disso, por isso agradeço a Deus pela igreja e suas diferenças.

Deus abençoe.

2 Jun 2014

O Juízo começará pela Casa de Deus

Autor: rodrigo | Categoria: Estudos, Louvor

Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; por que diriam entre os povos: Onde está o seu Deus? (Joel 2:17 )

Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?
(1 Pedro 4:17)

Chorem os sacerdotes ! Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus !

Essa foram as palavras que ouvi em sonho numa  manhã pelo Senhor. Foram palavras diretas, objetivas e que demonstram claramente a vontade Deus para os cristãos em nossos dias.

Uma palavra forte, de alerta a Igreja do Senhor e a todo Corpo de Cristo. Uma palavra que abre os nossos olhos quanto a um cristianismo sem Cristo, sem cruz, sem regeneração e altamente corrompido aos padrões deste mundo.  Um cristianismo estranho, num mundo às avessas . Como entender ministros pedófilos, pastores políticos corruptos, líderes avarentos e cristãos superficiais mais interessados em coisas deste mundo, do que das coisas de Deus. O secularismo tomando conta das igrejas, bem como , liberalismo teológico perigoso que aceita todo tipo de pessoa sem se preocupar com sua real conversão. Este é o cristianismo que estamos vivendo em nossos dias.

Nunca se viu um cristianismo  tão avesso como de nossos dias. A falta de temor e reverência de muitos que se dizem “cristãos” tem chegado a níveis assustadores.  E tudo isso “em nome do Senhor”.

No meio disso tudo, o cumprimento profético da palavra paulina que diz:

Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem,traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se também destes.
2 Timóteo 3:2-5 (NVI)

Nessa passagem Paulo alerta seu filho na fé, Timóteo sobre “os crentes que viriam”, ou seja,aqueles que após sua morte estariam introduzindo heresias destruidoras e buscando coisas terrenas e seus próprios interesses na Igreja do Senhor.  O apóstolo falava também de uma geração imoral, sem valores espirituais que viveriam de qualquer jeito, andando segundo seus prazeres, mas que mesmo assim, se passariam por “santos” vivendo de uma “aparente” santidade e piedade.

Não é toa que ele recomenda Timóteo a seguir o ensino ,a conduta, o propósito e a fé que foi instruído por ele , segunda as Escrituras (2 Tm 3:10-15) .

Paulo diz claramente: “Todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições” (2 Timóteo 3:12).

Essa palavra não foi apenas para aqueles dias, mas também para os nossos dias, ressaltando que “todos aqueles que desejam viver em Cristo” seriam perseguidos por não abrir mão do Senhor. Muitos são os que querem  andar com Cristo, mas poucos são aqueles que desejam viver em Cristo. Como no caso do jovem rico, viver em Cristo requer obediência e sacrifício (Mt 19:16-23).

Jesus foi nosso maior exemplo, pois preferiu fazer a vontade do Pai, do que fazer sua própria. (Jo 5:30).

Jesus poderia ter escolhido viver como um Rabi da lei e esquecer daquilo pelo qual Ele foi chamado. Mas Cristo preferiu não sentar nas cadeiras hipócritas das sinagogas e comungar com as fileiras da religiosidade, da hipocrisia e da vergonha.  Poderia Ele como muitos, “negociar o Reino de Deus” em troca de um status.

Como homem, Cristo poderia ter feito um “troca a troca” de favores e barganhas com aqueles religiosos e ficar quieto em suas palavras. Poderia Cristo ter seu nome como estadista famoso ou político reconhecido já que se opunha aos desmandos de Roma  e usar de toda a sua popularidade para obter o reino deste mundo.  Tudo isso seria fácil e agradaria inclusive o povo que o rejeitou.

Mas ele com propriedade disse:  “Vocês são daqui de baixo; eu sou lá de cima. Vocês são deste mundo; “eu não sou deste mundo”. (João 8:23)

Respondeu também Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. (João 18:36 )

Interessante é que Jesus não queria este reino, não naquele momento,  pois se assim fosse usaria de sua popularidade para alvoroçar um tumulto ou usaria de sua autoridade para destruir todos os seus inimigos e coloca-lo sobre o escabelo de seus pés. (Lc 20:43).

Não é a toa que vemos ovelhas desnorteadas sem pastor, pois os pastores são avarentos, pois buscam seus próprios interesses. Muitos cristãos acham que ficariam impunes Daquele que tudo vê, e cujos olhos são como chama de fogo.  Quem poderá resistir a este fogo consumidor ? (Ap 19:12; Hb 12:29).

O juízo começara pela Casa de Deus. No apocalipse a carta foi direcionada aos “anjos das igrejas, ou seja, aos pastores e líderes daqueles lugares.

Mas estes “anjos” seriam poucos se comparados a multidão de pessoas que serão afetadas e que embora “crentes” não viveram como tais.  Muitos crentes vivem como no tempo de Ageu, se preocupando consigo mesmas, com suas casas e com todo conforto que elas proporcionam. . Mas o saquitel era furado, por mais que semeavam , recolhiam pouco, pois “as suas obras não eram fiéis”. (Ag 1:1-6)

O povo vivia de uma forma egoísta e avarenta , buscando viver na ostentação e numa vida regalada. Hoje muitas pessoas estão nas igrejas para buscar as bençãos do Senhor e não o Senhor das bençãos.

Muitos me perguntariam: Qual é a diferença ?

A diferença esta naquilo que Jesus nos disse: Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. (Mateus 6:33)

Muitos crentes buscam a riqueza e alguns até se acham ricos como era o caso da  Igreja de Laodicéia que dizia:  “Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta”
Porém a resposta de Deus , mostrando a sua rela condição foi:
“E não sabes que és um desgraçado, e miserável, e 
pobre, e cego, e nu” (Ap 3:17).
Laodicéia também era uma igreja morna, nem fria e nem quente. O pior de  Laodicéia era sua condição de morna espiritualmente. Por isso disse o Senhor: “Estou a ponto de vomitar-te” (Ap 3:16) . 

A realidade era uma, mas eles só queriam enxergar o outro lado.

Jesus recomendou 3 coisas em tempo para aquela igreja melhorar:

1)Buscar ouro refinado, ou seja a verdadeira riqueza em espiritual, buscando o Dono do ouro e da prata.  O ouro era refinado pelo fogo de Deus que iria queimar “aquela obra” para ver se prestava.

2) Vestir-se de vestes brancas: Jesus também recomendou vestes brancas que significa a santidade e pureza.  Aquela igreja não era tão limpa como imagina ser. Há pessoas que louvam ao Senhor, mas são impuras, idólatras e mundanas, pois não vivem de acordo com a palavra de Deus.

3) Compar colírio para os olhos:  Por fim, recomenda comprar o colírio para a visão. Isso quer dizer que havia certa cegueira naquela igreja que não conseguia enxergar direito a sua real condição com Deus. Esta cegueira se deve ao fato de serem  avarentos, orgulhosos e auto-suficientes.

Diante de grande juízo de Deus, o Senhor recomendou a Laodicéia ser zelosa e  se arrepender(Apocalipse 3:19).

Queridos, viver o cristianismo é algo que deve ser levado a sério. É preciso que entendamos de uma vez por todas que o juízo começara pela Casa de Deus. Que possamos viver , então, uma vida que agrade ao Senhor e não a nós mesmos.  O tempo do seu juízo está próximo:

O grande dia do Senhor está perto; sim, está perto, e se apressa muito; ei-la, amarga é a voz do dia do Senhor; clama ali o homem poderoso. Aquele dia é dia de indignação, dia de tribulação e de angústia, dia de alvoroço e de assolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas. (Sofonias 1:14-15)

Cuidado! Não rejeitem aquele que fala. Se os que se recusaram a ouvir aquele que os advertia na terra não escaparam, quanto mais nós, se nos desviarmos daquele que nos adverte dos céus? Aquele cuja voz outrora abalou a terra, agora promete: “Ainda uma vez abalarei não apenas a terra, mas também o céu”. As palavras “ainda uma vez” indicam a remoção do que pode ser abalado, isto é, coisas criadas, de forma que permaneça o que não pode ser abalado. Portanto, já que estamos recebendo um Reino inabalável, sejamos agradecidos e, assim, adoremos a Deus de modo aceitável, com reverência e temor, pois o nosso “Deus é fogo consumidor! ” (Hebreus 12:25-29)

Com a convocação dos 23 jogadores que integrarão a Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo, acabou o mistério e a expectativa. Durante meses surgiram boatos especulações e muitos nomes foram “cavados” por especialistas.

Embora a lista final não tenha apresentado grandes novidades, ficando dentro do esperado, os nomes que ficaram de fora também se tornaram assunto ao longo do dia.

Pouco tempo depois do anúncio oficial, por volta do meio-dia, a página oficial do Atletas de Cristo no Facebook comemorou: “Você orou conosco e quatro de nossos atletas foram convocados hoje para a Copa deste ano. Jefferson, Fernandinho, Hernanes e Fred”. Centenas de comentários mostravam que as pessoas ignoram o fato de o atacante Fred ser evangélico.

Uma reportagem recente do programa Globo Esporte revelou que Fred frequenta a Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul, no Rio de Janeiro. O atacante do Fluminense foi evangelizado pelo pastor Gilmar Santos, esposo da cantora Aline Barros, e chegou a frequentar a CEIZS por um tempo, parou e desde o início de 2014 voltou a ser visto no templo.

O goleiro Jefferson é bem articulado em relação a sua fé. Ano passado, o arqueiro do Botafogo envolveu-se em polêmica e quase foi penalizado por ter desenhado na cabeça um peixe, símbolo do cristianismo.

Um jogador evangélico que não foi mencionado pelos Atletas de Cristo, mas que constantemente fala sobre sua fé é o zagueiro David Luiz, do Chelsea. Ele usou as redes sociais para comentar a convocação, postando a mensagem “Viver esse momento é inexplicável! Quero agradecer a Deus, minha família e amigos! Farei de tudo para honrar meu povo!”.

Kaká, do Milan, e que comemorou o penta em 2002 mostrando uma camiseta com a frase “eu pertenço a Jesus”, não foi chamado. Ele não se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

Por outro lado, o meia-atacante Lucas Moura, do PSG, que também ficou de fora da lista final, surpreendeu. Ele postou apenas versículo da Bíblia no Twitter. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. 1 João 5:4”. O jogador teve essa sua mensagem republicada centenas de vezes e a maiorias das pessoas deu apoio, pedindo para ele “não desanimar”.

Se em 2010 a Seleção tinha na figura de Jorginho (auxiliar de Dunga) um evangélico fervoroso que reunia os jogadores evangélicos constantemente para orar, no período sob a liderança Mano Menezes os pastores perderam acesso à concentração. Felipão nunca demonstrou contrariedade e no grupo vencedor de 2002 havia vários jogadores evangélicos.

Chad Hovind, pastor da megaigreja Horizon Community, de 5.000 membros, em Cincinnati, Ohio, quer ajudar os cristãos a entender melhor por que a Bíblia é o documento “mais historicamente correto de todos os tempos”.
Segundo Hovind, a visita do conhecido pregador Josh McDowell à sua igreja ajudou muitas pessoas a “abrirem os olhos” para alguns fatos fascinantes. O autor de “Mais que um carpinteiro” usou em suas palestras um rolo com os cinco primeiros livros da Bíblia (Torá) com cerca de 500 anos de idade. Ele permitiu que os presentes o tocassem e examinassem. Depois, explicou que aquele era um dos poucos manuscritos completos da Torá do mundo que não está em algum museu.
Durante sua apresentação, mostrou como eram as técnicas detalhadas dos antigos escribas judeus para certificarem-se que a Bíblia que temos em nossas mãos hoje ficasse livre de erros.
Para McDowell, as tentativas constantes de atacar a credibilidade histórica da Bíblia são a ameaça mais comum, pois ela é a base da fé cristã. Lamentou que até mesmo os cristãos acreditam em ‘bobagens’ que visam desacreditar a maneira que o texto bíblico foi passado de geração em geração.
O pastor Hovind enfatiza que as explicações de McDowell fizeram muitos dos presentes repensar a maneira como veem as Escrituras Sagradas e que essas verdades deveriam ser mais divulgadas. Para isso, pretende produzir um DVD com esse material, visando a multiplicação do conhecimento.
O rolo que McDowell usa para ensinar sobre o assunto foi copiado por escribas por volta de 1450 dC.  Possui grande valor histórico pois naquela época era muito comum que material religioso deste tipo fosse proibido e muitas vezes queimado, como resultado da perseguição judaica por parte da Igreja Católica.
O compromisso de copiar as Escrituras era uma tarefa sagrada. Havia milhares de métodos de controle de qualidade destinados a assegurar sua confiabilidade. Os escribas eram obrigados a memorizar mais de 4000 leis antes de começar a escrever. Nada poderia ser escrito a partir da memória.
Cada letra das copiadas obedecendo um sistema de três escriba. Depois que um escrevia, outro verificava cuidadosamente cada letra e um terceiro escriba verificava a obra final.  A maioria das cópias completas da Torá tinham cerca de 70 metros de comprimento e levavam mais de três anos para serem terminadas. Após a conclusão, três escribas verificavam o documento antes que ele pudesse ser usado.
Sabe-se que os escribas literalmente contavam as letras do começo ao fim. São exatamente 304.805 letras na Torá, parando a contagem na 152.402a letra (em Levítico 11:42). Ficou estabelecido que a próxima letra era a chamada “letra central”. Se ela não estivesse certa, o pergaminho todo precisava ser reexaminado. Se estivesse correta, continuavam contando para ver se a última letra do pergaminho totalizava 152.402.
As Escrituras eram confirmadas por meio de um rolo de papel que servia como um certificado de que seguira todos os processos necessários, incluindo a verificação de três escribas e o sistema de contagem para confirmação.
Até hoje, não se conhece na história da humanidade nenhum processo de cópia com tamanho compromisso com o controle de qualidade. Hovind e McDowell querem enfatizar aos leitores da Bíblia e também aos seus críticos que as antigas histórias de que as Escrituras foram alteradas ao longo do tempo são bobagem.
Embora as traduções possam variar, é possível ver cópias do documento mais historicamente confiável da história expostas em diversos museus. Ainda que se possa atacar seus ensinamentos, os fatos mostram que não há como questionar a seriedade do processo de cópia e a enorme quantidade de sangue que foi derramado para que o que Deus revelou ao homem fosse preservado. Letra por letra.

Quando a estilista inglesa Camelle Daley ouviu uma amiga recém ordenada a pastora na Igreja Anglicana reclamar do desconforto da batina, ela não teve dúvidas: desenvolveu roupas femininas para quebrar a monotonia das tradicionais vestes clericais.

A marca foi batizada de “House of Ilona” e em pouco tempo de mercado já conseguiu dividir a opinião entre pastoras, pastores e os fiéis da igreja.

A polêmica está nos modelos das roupas, as golas continuam as mesmas das batinas, mas a estilista ousou criando blusas drapeadas, vestidos mais curtos e mais modelados e muitas outras peças.

“Esta é de longe a roupa clerical mais atraente que já tive! Eu me sinto profissional e feminina ao mesmo tempo, com o meu vestido na altura do joelho”, escreveu uma pastora na página do Facebook da marca.

Mas a House of Ilona tem atraído também mensagens de críticas. “O vestido deveria ser mais longo e cobrir os joelhos. Mulheres no púlpito não deveriam usar roupas curtas. (…) Por favor, vamos nos vestir de forma apropriada”, escreveu uma fiel descontente com a vestimenta.

Apesar das críticas do público muitas pastoras anglicanas aprovaram a ideia, tanto que a loja virtual da marca foi criada para poder atendê-las. A Igreja Anglicana não se posicionou sobre o assunto.

O programa “Balaio”, da Rede Super de Televisão, mostrou a história da senhora Ana da Cruz, de 103 anos. A idosa resolveu voltar a estudar para conseguir ler a Bíblia.

O apresentador Alex Passos foi até o abrigo acompanhar a classe de adultos que tinha homens e mulheres de diversas idades. Ana da Cruz é a mais velha da sala.

Apesar de um problema na vista, Ana Cruz supera as dificuldades para aprender a ler, mostrando disposição e alegria. “Tenho 103 anos e estou aí. Com a graça de Jesus”, disse ela.

A professora Helena Lobato afirma que estar a frente dessa classe é um presente de Deus e que ela mais aprende do que ensina. “Foi uma missão muito grande que Deus me deu. Eu poderia ter me aposentado, mas eu percebo que agora é que eu estou começando a vida de professora”.

Mais detalhes

http://www.youtube.com/watch?v=_6PnrZdlUZE

9 Jan 2014

Como Entender a Vontade de Deus

Autor: rodrigo | Categoria: Estudos, Evangelicos

A fim de fazer a vontade de Deus é preciso primeiro conhecer a sua vontade. Para se ter verdadeira satisfação, descanso e contentamento na vida cristã – e não há descanso verdadeiro fora da vida cristã – devemos ter a plena certeza de que estamos fazendo a vontade de Deus.

A alma que ama a Deus não pode ficar satisfeita com nada menos do que isso. Enquanto houver dúvida, não pode haver perfeito contentamento. Devemos ter um perfeito conhecimento da vontade de Deus a nosso respeito, ou então não saberemos se estamos fazendo a sua vontade.

Muitos estão dizendo: “Eu ficaria feliz em fazer a vontade de Deus, se eu apenas soubesse qual era a sua vontade.” Tais pessoas não chegaram à proximidade de Deus que elas deveriam ter. Deve sempre haver uma compreensão clara e definitiva entre Deus e seus filhos. “As minhas ovelhas”, diz Jesus, “ouvem a minha voz”, e sabemos que Deus ouve a voz de seus filhos. Nós podemos falar com Deus e Deus conosco, e, por conseguinte, pode haver entendimento entre nós.

Você pode viver perto o suficiente de Deus para conhecer a sua vontade, e não apenas supor qual seja a sua vontade ou tê-la como já adquirida, mas por conhecê-la, porque ele lhe disse qual era a mesma. Os empregados de um homem podem supor que estão fazendo o que ele quer que eles façam, mas isso não lhes dá plena certeza. É somente quando forem à sua presença e o ouvirem expressar sua vontade, que saberão que a estão fazendo. Você pode conhecer a vontade de Deus. Você não precisa passar um dia sequer sem saber que está fazendo a sua vontade.

A Escritura diz: “Pelo que não sejais insensatos, mas procurai compreender qual seja vontade do Senhor.” Ef 5.17. Nos versículos anteriores a esse, somos orientados a andar prudentemente e a remir o tempo. Precisamos conhecer a vontade de Deus para que possamos usar todas as oportunidades com maior proveito. Porque passar dia após dia, sem um conhecimento definido de qual seja a sua vontade ou sem fazer muita reflexão sobre o assunto, ou não buscar sinceramente conhecê-la, é viver num plano espiritual muito baixo.

Deus quer que você se empenhe para conhecer a sua vontade. Acaso ele não lhe comprou? Você é seu servo, seu escravo. Você deve fazer tudo para ele. Aqueles que têm homens a seu serviço esperam que eles façam a sua vontade. Eles não saem para trabalhar um único dia ignorando a sua vontade. Eles nem sempre esperam que lhes seja dito o que devem fazer, mas fazem uma inquirição a respeito. Com muitos pode não haver uma procura séria o suficiente de Deus para conhecer a sua vontade.

A fim de conhecer a vontade de Deus, deve haver uma perfeita consagração a ele. A alma deve abandonar a sua própria vontade e se apresentar diante de Deus, como para lhe dizer: “Eu desisto do meu modo de ser, e serei para sempre teu, e teu somente, para te amar e te servir, para fazer toda a tua vontade agora e para sempre.” Deve haver humildade diante de Deus, uma profunda consciência interior da sua nulidade e incapacidade para realizar qualquer coisa na vida por si mesmo.

“Os mansos ele guiará em justiça.” Devemos ser mansos e humildes diante do Senhor e confessar que somos dependentes dele e que a vida será um fracasso total, a menos que ele queira, guie e opere em nós e conosco e por nós.

Deve haver um grande amor a Deus e um desejo sincero de conhecer a sua vontade. Sem um forte desejo de conhecer a vontade de Deus você nunca poderá aprendê-la. Isto é para aqueles que desejam obter respostas para as suas orações, e cujo desejo seja muito grande. Você deve procurar conhecer. Onde há um grande desejo, haverá busca sincera, porque não há busca sincera sem um desejo fervoroso. Você deve sentir que não pode ir muito longe na vida sem conhecer a vontade de Deus. Você não pode ser de qualquer utilidade para ele sem ter conhecimento da sua vontade. Você também deve ter fé. Quando você pedir a Deus para lhe ensinar a sua vontade, você deve crer que ele irá fazê-lo, e ele o fará. Quando ele começar a revelar a sua vontade, você deve se mover debaixo da sua ordem sem duvidar ou questionar. Ele irá guiá-lo e dirigirá cada um dos seus passos, e você poderá saber que está fazendo aquilo que Deus quer que você faça. Bendizei o seu nome! Tal vida é o paraíso aqui.

Texto de James Orr, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.

9 Jan 2014

Vida abençoada: a verdadeira visão de Cristo.

Autor: rodrigo | Categoria: Estudos, Evangelicos

Nos dias de hoje, quando a palavra bênção surge no meio de uma pregação, nove entre dez ouvintes a associam quase que inconscientemente a bens materiais. O bombardeio midiático diário que sofremos com a maldita teologia da prosperidade é tão grande que acabamos quase nos rendendo à famosa frase de Joseph Goebbels, Ministro da propaganda nazista de Adolf Hitler, que disse que “Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. E quando nos damos conta, estamos associando bênçãos a carros, casas e iates e, paradoxalmente, por outro lado, chamando todos os pastores de ladrões e mercenários.

Em seu primeiro discurso público – e o melhor – Nosso Senhor Jesus Cristo definiu objetivamente o que é ser abençoado (bem-aventurado), sem deixar nenhuma brecha para que limite seu poder a contas bancárias, roupas de grife e jatinhos.

Em primeiro lugar, devemos analisar o primeiro termo de cada versículo entre Mateus 5:3-12, onde lemos “bem-aventurados”. A versão King James (KJV) trás o termo “blessed”, que, literalmente, quer dizer ‘abençoado’. Obviamente não muda o sentido, mas facilita o entendimento. Em seguida ela trás o termo ‘are’, que quer dizer são ou estão. Logo, podemos entender que, na KJV, a frase começa assim “Abençoados são os…”. Da mesma forma ressaltamos que em nada muda o sentido da frase que começa com “bem-aventurados os…”. Mas que facilita o entendimento nos dias de hoje, sem dúvida que sim.

Jesus estava mostrando sua visão de bênção. O que ele via como sendo uma vida abençoada, uma personalidade abençoada, um caráter abençoado. E quais seriam os frutos de uma vida assim, de tal modo que ele identifica a exigência e logo em seguida mostra a recompensa. Vejamos:

1. Mateus 5:3 “Abençoados são os pobres de espírito”. Na Bíblia de Jerusalém temos o termo “Pobres em espírito”, que acompanha literalmente o que encontramos na KJV. Aqui Jesus fala em humildade. A capacidade que poucas pessoas têm em reconhecer o que realmente são: criaturas pequenas, passageiras, cheias de falhas e que dependem de Deus para tudo. Logo, sua vaidade é completamente inútil. Como diz Salomão em Provérbios 13:7

“Uns se dizem ricos sem ter nada; outros se dizem pobres, tendo grandes riquezas”.

As pessoas desprovidas de humildade só dão valor a coisas passageiras ou a coisas que só dizem respeito a elas e a seus desejos. São dominadas pelos desejos dessa vida passageira. Já os humildes, os pobres de coração, têm como herança simplesmente o maior tesouro do universo: o reino de Deus. Porque é lá onde está os seus corações. Em Mateus 6:19-21 Jesus explica isso e finaliza dizendo: “Pois onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração” (Mateus 6:21).

Para o pobre em espírito, que não se deixa seduzir por coisas menores como roupas, carros, acessórios, joias, e que, ao fazer usos dessas coisas o faz por necessidade e não por paixão ou dependência, o verdadeiro tesouro é o que ainda há de vir. E é para eles que Deus reservou o melhor. Fica a dica de Paulo em Romanos 12:16

“Não ambicioneis as coisas altivas, mas acomodai-vos às humildes. Não sejam sábios em vós mesmos”.

2. Mateus 5:4. “Abençoados são os que choram”.

Parece uma contradição reconhecer como abençoada a vida de alguém que vive em prantos. Mas entendemos isso com facilidade quando descobrimos o sentido do termo original “Penthountes”, que no grego aponta para lamentar, bater no peito e, mais claramente, ser afligido em razão de uma força externa. O texto fala daqueles que não se conformam com o pecado, que vivem em crise com suas próprias fraquezas e com as fraquezas alheias. Que não aceitam a corrupção do gênero humano e todas as desgraças que vem por causa disso. É como a criação gemendo em Romanos 8:22, por causa das trevas que a cercam. Mas há promessa de consolo é maior que tudo isso, como o mesmo Paulo começa dizendo em Romanos 8:18 “Para mim tenho por certo que as aflições desse tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada”. E não é outro, senão o Espírito de Deus, o autor dessa consolação.

3. Mateus 5:5 “Abençoados são os mansos”.

Essa é a primeira e única bênção que aponta para algo material, a terra. Isso mostra que para Jesus as bênçãos espirituais são superiores às materiais, e que a exigência para alcançá-las é ainda maior. E mostra ainda que só ser manso não é suficiente, porque Moisés foi o homem mais manso da terra (Números 12:3), e mesmo assim não herdou a terra, por causa de um ato de desobediência. O que mostra que as bênçãos materiais só aparecem depois das espirituais, e que estas devem ser buscadas primeiro, como diz Paulo, “Buscai as coisas que são de cima” (Colossenses 3:1).

4. Mateus 5:6 “Abençoados são os que têm fome e sede de justiça”.

Fome e sede são os desejos maiores da criação. O texto fala da justiça de Deus. Jesus fala de desejo espiritual. Como bem previu Amós 8:11. Como bem convida o Espírito e a noiva em Apocalipse 22:17. E a promessa de saciar os que querem, porque o Senhor diz em Mateus 7:8 que “Aquele que pede, recebe; o que busca, encontra; e ao que bate, se abre”.

5. Mateus 5:7 “Abençoados são os misericordiosos”.

Aqui o texto fala no incontestável princípio da semeadura. Se ajo com misericórdia, misericórdia receberei. Com a medida que julgar, serei julgado (Mateus 7:1-2). Se eu semear vento, colherei tempestades (Amós 8:11). É um princípio universal de Deus que eu faça aos os outros o que eu gostaria que os outros fizessem comigo. Amar o próximo com a si mesmo é isso. É dar para receber. Se julgar, que se julgue pela reta justiça (João 7:24).

6. Mateus 5:8 “Abençoados são os limpos (puros) de coração”.

Quando Jesus fala em limpeza, purificação, está se referindo à santificação, consagração. Podemos concluir isso lendo Hebreus 12:14, que diz que sem santificação ninguém verá a Deus. Logo, os puros e limpos de coração não são aqueles que não pecam, porque esses não existem. Mas os que vivem em constante luta contra o pecado através de uma vida de santificação, que vem com consagração e obediência a Palavra de Deus. A estes o Senhor reservou uma bênção maravilhosa: ver a Deus. Ou seja, contemplar a glória e o agir de Deus em suas vidas. Os livramentos, as curas, as portas abertas, as libertações.

7. Mateus 5:9 “Abençoados são os pacificadores”.

Os que promovem a paz, como diz a KJV, os fazedores de paz. São as pessoas que trabalham em prol da união, da prática do bem, do apagar de incêndios. São os ‘crentes bombeiros’. Gente que não suporta divisão, contenda, competição, e que faz o que estiver ao seu alcance para apaziguar as coisas. São os verdadeiros filhos de Deus.

8. Mateus 5:10 “Abençoados são os que sofrem perseguição por causa da justiça”.

Alguém pode fazer confusão com esse texto pensando que ele diz respeito a criminosos que são processados. Mas não é da justiça dos homens que o texto fala, mas da justiça de Deus. Quantas vezes não somos mal vistos, mal interpretados e perseguidos por querermos agir com retidão, com honestidade, com ética? O mundo não aceita nosso modo de vida. Somos vistos como uma ameaça onde quer que cheguemos, como um incômodo, um obstáculo às práticas corrompidas da humanidade. E aqui Jesus repete a primeira bênção: o reino dos céus. Que é para aqueles que não têm medo de assumir sua condição de servo do Senhor.

9. Mateus 5:11-12 “Abençoados são…”.

Aqui encontramos como que um resumo de tudo o que foi dito anteriormente. E nos mostra as verdadeiras referências para uma vida abençoada: os profetas de Deus. E não as celebridades desse mundo.

Neto Curvina