16 fev 2015

A igreja triunfante

Autor: wp-admin | Categoria: Evangelicos, Louvor, Pregações

 A igreja não nasceu da vontade humana, não é projeto terreno, mas foi escolhida livre e poderosamente por Deus desde a eternidade.

         A igreja foi selada pelo Espírito Santo, é o corpo de Cristo em ação na Terra, é o santuário da habitação de Deus, a noiva de Cristo, a coluna e o fundamento da verdade.

A igreja é uma instituição espiritual, apesar de ter CNPJ, é formada por pessoas independentemente de sua raça, cor, idade, sexo, condição sócio-econômica, povo este escolhido por Deus, salvo pelo sangue do Cordeiro para uma vida em comunhão e propagação do Evangelho aos que ainda não creem.

A Igreja é a continuação da presença e do ministério do Senhor no mundo. “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas (…) até os confins da terra” (At 1.8).

Logo, não há cristianismo sem igreja, assim como não há plenitude em Cristo se o cristão não estiver ligado a uma igreja local.

É importante observar a distinção de uma igreja visível e a invisível. Não se trata de duas igrejas, mas de dois aspectos da única Igreja de Jesus Cristo. Quando se fala da Igreja invisível é comum pensar no aspecto da Igreja triunfante, da Igreja ideal, da Igreja de todas as terras e de todos os lugares, que o homem não tem nenhuma possibilidade de ver.

Naturalmente, a Igreja invisível assume a forma visível (igreja local). Do mesmo modo que a alma humana se adapta a um corpo e se expressa por meio dele, a Igreja invisível que consiste não em almas, mas em seres humanos que têm alma e corpo, assume, necessariamente, forma visível de uma organização externa, por meio da qual se expressa a união invisível de Cristo com a Igreja. Daí a importância de permanecer ligado à Igreja visível, pois ela é a explicitação da Igreja invisível, ou seja, da união invisível de Jesus com cada um de nós.

Ora, a salvação não se dá por meio de uma denominação eclesiástica, mas mediante a crença de que o Senhor Jesus é nosso único e suficiente Salvador. Uma vez que se crê nesta verdade o Senhor nos vocaciona para fazermos parte da Igreja visível. Da mesma forma que Tiago declara “mostra sua fé sem obras, que mostrarei a minha fé por meio de obras”. Assim, o novo nascimento o impelirá a pertencer a uma igreja local (visível).

Se a Igreja na terra é militante, no céu é a Igreja triunfante. Lá a espada é trocada pelos louros da vitória, os brados de guerra se transformam em cânticos triunfais, a cruz é substituída pela coroa. A luta é finda, a batalha está ganha, e Cristo reina com todos os santos por toda a eternidade. Nestes dois estágios a Igreja reflete a humilhação (Igreja militante) e a exaltação de Jesus (Igreja triunfante). Esta verdade tem implicações tanto coletivas para a igreja como no plano individual. “Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória” (Rm 8.17).

Assim, estar numa Igreja local é ter a chance de se tornar um instrumento poderoso nas mãos do Deus Vivo para a manifestação da vontade Dele, mas ao mesmo tempo é ser tratado pelos irmãos e por Deus para que a Igreja militante (que somos nós) se “torne” a Igreja triunfante.

 

Pr. Hélder Rodrigues

Envie um comentário